Body-Shaming. Saúde e Autoestima

5
Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

Nessa onda “fitness” que vivemos atualmente, todo mundo fala da importância de uma vida saudável e equilibrada e se inspira muitas vezes em imagens de corpos indefectíveis, mensagens motivadoras e padrões de beleza estabelecidos pelos grandes meios de comunicação. Contudo, infelizmente, não se fala muito de um comportamento que está virando tendência e invadindo as redes sociais, ambiente de trabalho e o convívio familiar: o “body-shaming”.

 

“Body-Shaming” (tradução livre do inglês) significa vergonha do corpo ou envergonhar-se do próprio corpo. Em seu sentido mais amplo, também é humilhar um indivíduo por conta de alguma característica de seu corpo.

Criticar o corpo de alguém, independente do motivo, pode gerar sentimentos de humilhação e real sofrimento. Nos piores casos, pode configurar crime de invasão de privacidade, como aquele caso da modelo da Playboy, Dani Mathers, que divulgou no começo deste ano através de um aplicativo, a foto de uma idosa nua no vestiário da academia, ou injúria, quando você ofende a pessoa ferindo sua dignidade.

Quem nunca esteve em uma reunião de família onde aquela tia ou avó pergunta se você está comendo adequadamente porque está muito gorda ou se está doente porque está muito magra? Ou aquele comentário desagradável na rede social em uma foto que você adora?

Debaixo de inúmeros motivos que vão desde “olha você precisa cuidar da sua saúde” até os mais fúteis como “você precisa emagrecer pois parece uma baleia na televisão” estamos lidando com um problema extremamente nocivo:  a destruição da autoestima de nossos colegas e familiares  ao criticar características que muitas vezes a pessoa se orgulha ou gosta.

Óbvio que cuidar da saúde é fundamental, porém devemos lembrar que nem todo magro ou gordinho tem um problema de saúde. Devemos respeitar a diversidade de corpos e os limites físicos de cada indivíduo. 

Empresas e celebridades tem se unido para combater este tipo de prática abusiva, recentemente, a atriz Lea Michele, em parceria com a marca de lingerie Aerie, engajou-se em uma campanha para que as pessoas criem confiança e aceitem seus corpos como são (#aerieREAL). Agora as campanhas da marca não adulteram as fotos das modelos e realçam a sua real beleza.

Desejando um mundo mais agradável, menos crítico e intolerante sugiro que se coloquem no lugar do outro e que sejam gentis, não julguem… a pessoa pode ser feliz como ela é e, ainda ser saudável… Ela pode gostar de ter covinhas no rosto, quadril largo, sardas, um olho de cada cor ou ainda achar um charme aquela mancha na pele…

Ame o que você vê no espelho e não deixe ninguém fazer você pensar o contrário!

Share.

About Author

Tass Lobo

Mística , geminiana com ascendente em virgem, mãe de Pet, taróloga por hobby, formada em Direito, dona do instagram @lua_em_forma que trata de curiosidades, vida saudável e dicas de coisas que testa e indica ;) Como boa geminiana , antenada em tudo e mais um pouco, disserta sobre diversos temas de seu interesse.

5 Comentários

Deixe uma Resposta